quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Cultura e Identidade Surda

Cultura Surda



È tarefa difícil definir cultura surda. Podemos vislumbrar um conceito como um movimento social, formado a partir de uma minoria linguística, que está em oposição à cultura e ideologia dominantes. Os surdos procuram conviver harmoniosamente com grandes diferenças, dentre elas a mais marcante, a linguística. Esta comunidade está sempre procurando fazer valer os seus direitos políticos e sociais, lutando contra o estigma, o estereótipo, a deficiência, o preconceito, e o poder do ouvintismo.


O que poderia ser um caminho por parte da nossa sociedade predominantemente ouvinte seria o reconhecimento da identidade cultural surda.




Vivemos no século 21, portanto é conveniente que adotemos uma nova perspectiva em relação a um futuro cada vez mais próximo. E uma nova perspectiva implica preencher um espaço que outrora fora habitado por uma concepção concordante com a mentalidade vigente da época, mas que atualmente torna-se ultrapassada e não deve mais se sustentar, em seus alicerces ruinosos que não mais se alinham à superfície das novas descobertas.




Dentre as características mais marcantes da cultura surda além da língua são os artefatos culturais e tecnologias. Dentre estas destacamos: TDD, aparelho auditivo, implante coclear, Closed Caption e alerta luminoso ou vibratório em telefones e campainhas, além da poesia e contos surdos que muito traduzem a visão que o surdo tem do mundo e como pode contribuir com ele.


Identidade Surda



É fundamental olharmos para a Identidade Cultural Surda dentro de um contexto multicultural, onde a identidade é algo em questão, em construção, uma construção móvel que pode frequentemente ser transformada ou estar em movimento, e que empurra o sujeito em diferentes posições. PERLIN (1998: 52) É evidente que as identidades surdas assumem formas multifacetadas em vista das fragmentações a que estão sujeitas, face à presença do poder ouvintista que lhes impõem regras, inclusive, encontrando no estereótipo surdo uma resposta para a negação da representação da identidade surda ao sujeito surdo.




De acordo com apresentação didática da Identidade Surda, podemos analisar três dos elementos mais importantes:


Quanto a ORIGEM:


1) Surdo – filho de pais surdos


2) Surdo – filho de pais ouvintes


3) Ouvinte – filho de pais surdos




Quanto aos FATORES:


1) O surdo precisa ser exposto à cultura surda para desenvolver sua linguagem e compor sua identidade.


2) Participação nas atividades construtoras


3) Movimentos surdos – a dinâmica da comunidade


4) Conhecimento das leis e políticas de inclusão e da ética




Quanto a CLASSIFICAÇÃO:


Identidade Surda ou Política: Pessoa com identidade surda plena. É geralmente filho de pais surdos (LIBRAS Nativa) e se aceita como surdo. Luta pelos direitos e pela inclusão na sociedade. Não se esconde, mas se deixa expor naturalmente.
Híbrida: Nasce ouvinte e posteriormente torna-se surdo. Conhece a língua portuguesa falada e escrita. Mais tarde conhece a cultura surda e a Libras. Mantém relação amigável com ambas as culturas.
Flutuante: Tem dificuldade de identificação em um grupo definido, não sabe se fica com os surdos ou com os ouvintes. Quando em meio aos ouvintes disfarça a surdez e quando em meio aos surdos procura ser como eles.
Embaçada: Apresenta alto índice de desinformação, dificuldade de aprendizado, Não conhece a Libras e nem o Português, por isso tem alta limitação de comunicação com ambas as culturas e acaba por viver isoladamente.
De Transição: Aprende com certa dificuldade a comunicação oral auditiva. Filho de pais ouvintes. Mais tarde descobre a LIBRAS e dá preferência para conviver na cultura surda.
Diáspora: Relaciona-se bem com os ouvintes, luta pelos direitos surdos, procura mostrar que é resolvido e feliz. Busca incansavelmente estar bem informado sobre tudo.
Incompleta ou Intermediária: Nega a identidade surda, luta para se integrar ao ambiente do ouvinte, tentando viver como tal. Oralizado, geralmente usa aparelho auditivo e não aceita bem a Libras. Aprecia as peculiaridades culturais distintivas ouvintes como, por exemplo, a música.






11 comentários:

  1. Gostei muito do texto, Rosa. Irá me ajudar em um trabalho da disciplina de Libras no curso de Letras da UEMA. Gosto muito de Libras, mas infelizmente não tenho o tempo necessário para estudá-la. Abraço e obrigado. :)

    ResponderExcluir
  2. gosto muito e pretendo aprimorar mais, para ajudar as pessoas.

    ResponderExcluir
  3. acho muito importante conhecermos esse universo que é a liras,estou amando conhecer a linguagem dos sinais.

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante, fui professora numa escola de classe alta e pude verificar que os meus alunos surdos eram classificados em incompletos ou intermediário.

    ResponderExcluir
  5. Muito interessante, fui professora numa escola de classe alta e pude verificar que os meus alunos surdos eram classificados em incompletos ou intermediário.

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante, fui professora numa escola de classe alta e pude verificar que os meus alunos surdos eram classificados em incompletos ou intermediário.

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante, fui professora numa escola de classe alta e pude verificar que os meus alunos surdos eram classificados em incompletos ou intermediário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá estou fazendo um trabalho com esse texto, você poderia me ajudar me explicando aparte do "seculo 21" por favor. Ficarei muito grata.

      Excluir
  8. PARABÉNS ROSA, BELO TRABALHO COM A INCLUSÃO.

    ResponderExcluir
  9. Olá, alguém poderia me ajudar explicando a parte do "seculo 21", estou fazendo o trabalho com esse texto. Ficarei muito grata.

    ResponderExcluir
  10. Tenho certeza que tinhamos que aprender libras no inicio dos estudos, já no primário, como outras matérias também, ficamos atrasados quando já deveriamos ter o básico de todas as matérias do inicio.

    ResponderExcluir